Intercâmbio | 05 de ago Já dizia a música… “Saudade palavra triste, quando se perde um grande amor…”. Na verdade eu não perdi um grande amor, não que eu me lembre, mas eu deixei grandes amores no Brasil para vir pra cá, do outro lado do atlântico. Deixei pais, irmão, família, amigos e por aÍ vai.

Saudades de casa, da família, dos amigos e do Brasil

Os desafios daqueles que decidem encarar o intercâmbio na maturidade

Já dizia a música… “Saudade palavra triste, quando se perde um grande amor…”. Na verdade eu não perdi um grande amor, não que eu me lembre, mas eu deixei grandes amores no Brasil para vir pra cá, do outro lado do atlântico. Deixei pais, irmão, família, amigos e por aÍ vai.

O problema é que agora, com o passar dos meses de intercâmbio, começa a bater aquela dorzinha, aquele aperto no coração, ou seja, é a famosa saudade de todos.

Sempre ouvi dizer que a saudade tem um momento certo de chegar: a famosa crise dos 3 meses! Acho que isso acontece mesmo com os mais jovens, porque no início é tanta novidade pra eles, tanta coisa para descobrir… É como se eles estivessem presos no Brasil, na barra da saia dos pais, e quando chegam aqui a liberdade é tanta que eles nem notam. A ficha só começa a cair quando você vê que a grana começou a ficar curta e a ligação para os pais passa a ser inevitável. É isso ou ir à luta por trabalho.

No nosso caso a coisa é bem diferente. Não temos idade para ligar para nossos pais e dizer “acabou meu money, tem como me mandar mais?”. Não, a gente tem que se virar e, como nem tudo são flores, com o passar dos meses começa a bater uma solidão, uma saudade da família com quem a gente sempre conta nas piores horas, dos amigos de longa data e até mesmo do nosso cantinho.

7.4

Saudade é uma coisa de brasileiro. Gringo nenhum entende quando falamos “que saudade de casa” ou “que saudade do Brasil”. Pra eles, que demostram tanto desapego ao que tem, fica difícil tentar explicar. Já nós, que somos muito apegados uns aos outros, é complicado dizer que não sente saudade de alguém que ficou no Brasil, e isso não é coisa de jovem ou adulto, isso é da nossa natureza, do nosso jeito brasileiro de ser.

Nessas horas o que mais me conforta é saber que todos torcem por mim e que dia após dia me mandam mensagens positivas. Com isso a gente vai recarregando a nossa bateria para vencer os desafios do nosso intercâmbio.

7.2

Como estamos todos no mesmo barco, posso dizer que muitos passam por essa fase, e quando a gente vê alguém cabisbaixo ou quando alguém nos vê para baixo, são os novos amigos brasileiros que nos fazem erguer a cabeça e fazer a tristeza ir embora.

Eu tive o privilégio de fazer grandes amizades, e conheci muitas pessoas bacanas que acabaram se tornando uma nova família, a “família do intercâmbio”, onde um acalenta o outro, dá conselho, brinca, abraça e até mesmo conforta quando essa dorzinha bate. Ela não vai embora, mas ameniza e muito. E isso já é um bom sinal, porque nem só de festa vive o intercambista, seja ele um jovem ou quarentão.

 

Fonte : e-dublim

dini sohbetler instagram takipçi Hilesi instagram takipçi Hilesi sohbet chat Tipobet Betist escort bayan alsancak escort hd porno izle porno izle kıl çadır kıl çadır kıl çadır porno seyret fake taxi porn İzmir escort bayan İzmir escort bayan İzmir escort bayan izmir cimcif escort bodrum escort bodrum escort tempobet irc forum b2b yazılım hd porno izle Tipobet giriş
.