CCBEU | 02 de set Não vamos mentir para você: a primeira semana de intercâmbio não é a mais agradável de todo o processo. Porque? A viagem longa, o fuso-horário diferente, as malas pesadas, lugares totalmente diferentes e muitas informações em outro idioma.

A sua primeira semana de intercâmbio e os 13 desesperos que encontrará

Não vamos mentir para você: a primeira semana de intercâmbio não é a mais agradável de todo o processo. Porque? A viagem longa, o fuso-horário diferente, as malas pesadas, lugares totalmente diferentes e muitas informações em outro idioma. Tudo de uma vez para uma só pessoa. Mas calma, você não é o único que passará por isso e por sempre acontecer, separamos os desesperos mais comuns para te livrar um pouco desse pânico.

1 – Aquele momento de aeroporto que você observa a quantidade de mala que levou e não sabe como vai conseguir levá-las, até porque, estará sozinho quando chegar.

2 – Você estudou pra caramba e entendia tudo o que os filmes diziam e o que estava escrito em todos os livros de outro idioma. Chegará um dia que você acordou como se tivesse esquecido tudo e não entenderá nada do que estão falando perto de você. Não entre em pânico, isso acontece no período de adaptação.

3 – O fuso horário, no começo, te deixará perdidinho. Te fará fazer contas e contas para descobrir quantas horas são no Brasil, além de te fazer ficar acordado durante as madrugadas e super cansado e com sono na parte do dia em que todos ao seu redor estão acordados.

4 – Encare a realidade: você será, temporariamente, excluído. E isso é um incrível ponto positivo, assim, você terá tempo de melhorar sua cara de perdido, falar um pouco mais da maneira que as pessoas falam e observam como eles lidam com determinadas situações.

5 –  Sempre reclamou do arroz e feijão? Ou da comida da sua mãe? Chegou a hora de sentir saudade de toda a comida e tempero do Brasil!

6 – Aquele momento que o inverno chega, você já vestiu tudo o que levou e ainda acha que vai morrer de frio.

7 – E claro, terá aquele momento em que vai tirar tudo o que pode e ainda assim continuará derretendo de calor. Saudades do verão um tanto quanto controlado do Brasil.

8 – Aquele momento em que você sente medo de tudo. Esse quarto está trancado? Posso andar sozinho na cidade? Até a noite? Mesmo se estiver de celular e relógio? E de ônibus, rola também? Mas é escuro! Dá mesmo assim? Melhor não arriscar. Alguém quer rachar um táxi? Acho melhor eu não ir.

9 – Você sempre odiou que as pessoas te controlassem, mas agora, chegou a sua hora de bancar o controlador: O que eles estão fazendo sem mim no Brasil? Será que estão se divertindo? Onde estão agora? Por que não me chamaram no Skype ainda?

10 – Quase no final das contas, quando você estiver tentando rir de tudo que aconteceu de ruim ATÉ AGORA, você vai resolver procurar um shopping, até porque, comprar qualquer coisa que seja, até mesmo um chiclete, te faz sentir um pouco mais em casa.

11 – Estava achando que as coisas estavam ruins? Terá aquele momento em que você conclui estar perdido. O mapa está errado, essa placa não leva a lugar nenhum e não vai adiantar pedir informação porque pensa que não vai entender a resposta.

12 – Aquele momento que a saudade bate forte. Da cama, do chuveiro, do porteiro, do cachorro da vizinha que late quando você tenta dormir. Da pia do banheiro limpa, da água quentinha, do cheio de roupa limpa. Da sua mãe te esquecendo no supermercado. Do seu irmão pegando suas coisas sem pedir.

13 – Aquele momento em que você se pergunta: “por que mesmo resolvi fazer intercâmbio?”

Depois que essas coisas passarem pela sua vida, você começará a entender que foi necessário todo esse pânico vivencial para que você se adapte da melhor maneira e tenha todos os resultados bons que não teria se não tivesse que ter se virado sozinho em determinadas situações.